[CLOSE]

Você sabia que muitos jovens não tem acesso a educação ou um curso profissionalizante? O Blog Ensinando Elétrica é uma plataforma de ensino gratuito, oferecendo oportunidades de aprender elétrica e a ter uma profissão. Cadastre-se abaixo para fazer downloads de apostilas, simuladores técnicos e video aulas. Se associe ao maior portal de aprendizagem em elétrica.

CADASTRE - SE CURSOS COMPLETOS ACESSAR CURSO GRATUITO

Escolha uma categoria

Comandos Elétricos

Quer aprender Comandos Elétricos? acesse essa categoria e veja os principais artigos sobre comandos elétricos.

Ver Conteúdos

Elétrica Residencial

Esta iniciando sua carreira como eletricista? Veja nessa categoria os assuntos mais acessados dessa área.

Ver Conteúdos

Simuladores Técnicos

Simuladores são tão legais, aqui você pode encontrar simuladores de comandos elétricos e muito mais acesse já.

Ver Conteúdos

Profissionais Conectados

O Ensinando Elétrica gosta de únir os profissionais da área veja que temos Grupos do Whatsapp, Facebook, Foruns e muito mais!

Conhecer

publicações recentes

Quanto Ganha um Eletricista nos Estados Unidos?




Eletricista nos EUA ( Estados Unidos da América )

Os eletricistas apoiam a indústria dos edifícios e da construção, oferecendo um ofício habilidoso que leva anos para aprender. O trabalho elétrico exige treinamento prático, e a segurança tem um papel significativo no seu êxito. Os cursos técnicos providenciam o treinamento e a educação exigidos, na sala de aula e no trabalho, para obter emprego. Muitos estados norte-americanos exigem a conclusão de um curso técnico para obter uma licença de eletricista. De acordo com o Bureau of Labor Statistics (BLS) dos Estados Unidos, em 2010, os eletricistas ganhavam em média um salário anual de $48.250 (equivalente a R$109.651).
Geral
Os cursos técnicos combinam para o conhecimento necessário para o trabalho com eletricidade e as competências adquiridas através de formação prática. Eles fornecem treinamento para técnicos de ligações e instalações exteriores, interiores e residenciais. Eletricistas autorizados trabalham lado a lado com os aprendizes, para assegurar um treinamento orientado aos seus objetivos, além de segurança. Os candidatos podem comprar materiais informativos – de organizações tais como o National Joint Apprenticeship Training Committee – para obter informações detalhadas sobre o processo de aprendizado e sobre a área.
Requisitos
Candidatos interessados em candidatar-se devem ter pelo menos 18 anos de idade, um diploma do ensino médio, com um ano de álgebra, e devem completar com êxito uma prova de aptidão focada em leitura e matemática. Os cursos geralmente duram de quatro a seis anos. Todo ano, os aprendizes passam 144 horas na sala de aula e 2.000 horas num ambiente de trabalho. Os cursos técnicos de eletricistas oferecem um salário pago durante esse período.

Salários

Os eletricistas aprendizes ganham salários durante o tempo que estiverem fazendo um curso, e os salários variam com base em localização e tipo de trabalho. Conforme o aprendiz progride, ao longo do período de quatro a seis anos, o salário aumenta. Por exemplo, um técnico de ligações internas em San Diego ganha $23,75 por hora (cerca de R$53,97), incluindo o pagamento de pensão e de saúde e segurança social, nos primeiros seis meses. Esse valor vai aumentando, com incrementos de seis em seis meses, acabando em um total, por hora, de $46,06 (cerca de R$104.67), fixado desde junho de 2011.

Cursos

Os centros e organizações de treinamento oferecem dois tipos de cursos técnicos: sindical e independente. De acordo com o BLS, o National Joint Apprenticeship Training Committee, a National Electrical Contractors Association e a International Brotherhood of Electrical Workers oferecem treinamento sindicalizado. Os Associated Builders and Contractors, os Independent Electrical Contractors, Inc., a National Association of Home Builders e o National Center for Construction Education and Research oferecem programas independentes.

Componentes Eletrônicos e Unidades de Medidas, conceitos básicos.

Introdução

Toda a modernidade que nos rodeia com relação à computação e suas vantagens para o mundo moderno se tornou possível a partir da evolução da eletrônica. O desenvolvimento de componentes que fazem com que a corrente elétrica gere diversos efeitos e a partir do agrupamento de vários deles um fluxo de elétrons possa realizar uma quantidade enorme de eventos desde cálculos complexos a imagens e sons.

Pode até parecer estranho para um leigo, mas tudo começa na movimentação de partículas subatômicas chamadas elétrons. Numa analogia simples, o elétron está para a elétrica, eletrônica e computação assim o a farinha está para o padeiro. O inicio de tudo.

O elétron

O elétron é uma partícula, ela fica em órbita do núcleo dos átomos. Todo átomo possui elétrons em sua órbita, na sua última camada. Em seu núcleo os átomos possuem prótons e nêutrons fortemente unidos, no entanto nos átomos de alguns materiais os elétrons que estão em orbita nas últimas camadas não são tão firmemente presos a esta órbita, podendo facilmente se desprender e se unir a outro átomo, como é o caso dos metais, estes são conhecidos por materiais condutores elétricos.

Representação de um Átomo 

Os elétrons possuem carga negativa enquanto os prótons possuem carga positiva, os nêutrons não possuem carga (na verdade possuem mais é ínfima, convenciona-se que seja nula). Quando a quantidade de elétrons e prótons num átomo é igual, este átomo se torna neutro, ou seja, eletricamente equilibrado, isso ocorre com átomos de materiais como madeira, borracha e outros isolantes, a quantidade de elétrons e prótons de seus átomos é igual e estes elétrons estão de forma firme em órbita do núcleo do átomo, não de desprendendo e se unindo a outro átomo. Num corpo condutor, os elétrons ficam num movimento desordenado, um átomo perde um elétron e em seguida ganha um elétron de outro átomo sem ordem alguma. Mas quando isso é ordenado de forma que os elétrons tenham um único caminho a percorrer e de forma ordenada isso é denominado corrente elétrica. Para que exista uma corrente elétrica é preciso um desequilíbrio entre dois pontos, ou seja, em um ponto existam átomos com excesso de elétrons (carga negativa) e em outro ponto átomos com falta de elétrons (carga positiva), isso fará com que os átomos com carga positiva atraiam os elétrons dos que possuem carga negativa, tentando um equilíbrio.


No entanto se o equilíbrio não for alcançado o processo continuará indefinidamente enquanto existirem as condições apropriadas. A esse efeito é dado o nome de diferença de potencial ou ddp, a unidade de medida utilizada para calcular a ddp é o Volt, que mede a tensão entre dois pontos com potencial elétrico diferente.

Volt

Como já mencionado, o Volt mede a diferença de potencial entre dois pontos, a ddp é o que força os elétrons a se movimentar em uma única direção continuamente do ponto negativo (com excesso de elétrons) ao positivo (com falta de elétrons).

Aqui é um ponto onde existe uma grande confusão. Volt mede a força com que os elétrons pressionam uns aos outros visando estabilizar o número deles entre os pontos. Vamos usar uma analogia:

Suponha uma caixa d’água com 1000 litros de água dentro. Ela está a 1 metro do chão. A água não sai da caixa porque ela não tem nenhum furo, mas existe uma força puxando a caixa e a água dentro para o chão a gravidade. Se você faz um furo no fundo da caixa, automaticamente a água começa a sair com certa força até atingir o chão, depois de certo tempo a água acaba e finaliza o processo.
Agora se a caixa d’água estivesse a 100 metros de altura e o mesmo processo fosse feito, a água teria muito mais força na queda visto a altura maior.
Neste exemplo podemos comparar com a eletricidade, a altura em que a caixa esta do chão é a diferença de potencial, quando mais alta a caixa maior a pressão da água para cair, quanto maior a diferença de potencial mais força os elétrons exercem para passar de uma átomo a outro. A água seriam os elétrons e sua quantidade em movimento a vazão (o que se constitui corrente elétrica) é medida em Ampéres. A velocidade com que a água cai ou na comparação com que os elétrons se movimentam é medido em Watts.

Estas 3 unidades de medida são essenciais para o desenvolvimento e compreensão de todo o funcionamento de equipamentos elétricos, eletrônicos e computacionais.

Ampere

O Ampere como mencionado anteriormente mede a quantidade de elétrons que se movimentam formando a corrente, ou seja, esta unidade não esta ligada ao Volt, são unidades diferentes, uma não existe sem a outra, mas usam medidas de forma diferente. Por exemplo, uma bateria automotiva possui em média 60A (A é o símbolo na SI para Ampere) e 12volts de tensão. E quando você gira a chave do carro ela consegue acionar o motor de arranque do carro e fazer o motor com suas bielas e pistões girar por alguns segundos, no entanto se você pegar uma fonte de computador e tentar o mesmo ela queimará ou desligará instantaneamente. Por que, se ambas possuem saídas com 12volts? Por conta da corrente, enquanto uma possui 60A para 12volts a outra terá por volta de 25A. Uma corrente menor com a mesma tensão significa menor força de trabalho.

A fórmula que mede isso é dada pela expressão:

I = V/R

Ou seja, a corrente é a tensão dividida pela resistência.
Uma relação interessante a respeito disso é que estas grandezas são proporcionais, ou seja, para se gerar trabalho ou você aumenta a tensão e necessita de menos corrente ou você aumenta a corrente e necessita de tensão menor. Para isso pode se utilizar o exemplo do chuveiro elétrico novamente, no Brasil a maior parte desses aparelhos trabalha em 220v porque dessa forma é preciso menos corrente e o uso de fios mais finos, caso fossem utilizados 110v seria necessários fios com o dobro da bitola.

Por exemplo, um aparelho que trabalhe em 220 v e tenha 5000 w de potência seria realizada a operação para calcular a corrente necessária:

5000 = 220.I I=5000/220 I= 22,7A

Agora em 110 v

5000=110.I I=5000/110 I=45,4A

Watt

O Watt é a unidade que mede a potência tanto elétrica como térmica. Está sempre relacionado a tempo, ou seja, a quantidade de potência utilizada por hora. O Watt é o produto do Volt (ddp) pelo Ampere(corrente), ou seja:

P=V.I (convenciona-se que corrente nas fórmulas matemáticas seja representada por I e potencia por P)

Exemplo:

Uma fonte de alimentação que na saída de 12 volts forneça 15A, a cálculo é o seguinte:

P= 12.15 P= 180

Na saída de 12 volts ela terá 180 w de potência.

Para termos mais potência, ou seja, força de trabalho é necessário ou maior corrente ou maior tensão.

Exemplo:

Podemos ter um chuveiro com 5000 w, que funcione com 110 v e corrente de 45,4A ou um chuveiro com a mesma potência, mas funcionando com 220 v e corrente de apenas 22,7A, ou seja, para manter a mesma força de trabalho com a mesma tensão se aumenta a corrente e com a mesma corrente se aumenta a tensão.

Hertz

Hertz é a unidade de medida da freqüência com que as ondas eletromagnéticas oscilam, essa medida é a representação de ciclos por segundo.


O principio é simples, toda onda executa um movimento que é chamado pulso, que consiste no movimento que ela inicia e após um período termina e inicia novamente, o tempo que cada inicio e término deste processo demora a ser executado é o ciclo, a quantidade de vezes uma onda realiza isso num segundo é a referida freqüência de onda medida em hertz ou ciclos por segundo. Suponha que uma onda qualquer tivesse um ciclo que demorasse 1 segundo para ser completado, teria uma freqüência de 1Hz, 2 vezes em um segundo ele fosse completado, 2 Hz de freqüência e assim por diante. As ondas podem possuir diversos formatos ou “forma de onda”, dentre eles podemos destacar as ondas senoidais (utilizadas na transmissão de rádio) e as quadradas utilizadas nos circuitos digitais. Com este conceito em mente podemos imaginar a dimensão da freqüência de um processador, por exemplo, um processador de 1GHz é sincronizado por uma onda quadrada que executa 1 bilhão de ciclos por segundo. Seu roteador WI-FI transmite uma onda senoidal na freqüência de 2,4GHz, ou seja, 2,4 bilhões de ciclos por segundo, a mesma utilizada pelo seu microondas só mudando a potência.

Com esses conceitos básicos já é possível compreender alguns dos diversos componentes e suas aplicações na eletrônica e computação.

Aplicação de Rele de Nível Exemplos

DESCRIÇÃO

Os Relés de Nível Inferior e Superior, são destinados a supervisão de líquidos condutores de corrente elétrica não combustíveis.

Seu contato de saída pode ser utilizado para desligar um motor, interromper circuitos ou acionar algum dispositivo de segurança ou proteção, desde que sejam respeitados os limites máximos do contato de saída.

Rele de Nível Altronic




TIPOS DE RELÊS DE NÍVEL:

Relé de Nível Inferior: supervisiona e controla o nível de líquidos condutores de corrente elétrica não combustíveis em poços artesianos, reservatórios, tanques ou em locais onde se utilizam bombas
submersas.
Relé de Nível Superior: monitora e controla o nível de líquidos condutores de corrente elétrica não combustíveis em caixas d’água, reservatórios, tanques, etc.

OPERAÇÃO E FUNCIONAMENTO

RELÊ DE NÍVEL INFERIOR: O Relé permite, através de 3 eletrodos conectados às entradas ER (eletrodo referência), EI (eletrodo inferior) e ES (eletrodo superior), controlar níveis mínimo e máximo do líquido que está sendo monitorado.
Para seu correto funcionamento, os eletrodos deverão ser instalados na seguinte ordem:
• Eletrodo ES: no nível máximo a ser monitorado;
• Eletrodo EI: abaixo do nível mínimo;
• Eletrodo ER: abaixo do nível mínimo.

Quando, ao mesmo tempo, os três eletrodos estiverem em contato com líquidos de resistência menor que 100KOhms e inferior à sensibilidade ajustada, o contato de saída do relé é acionado, fechando os contatos C-NA e abrindo os contatos C-NF. A medida em que o nível do líquido diminue, o eletrodo ES não estará mais em contato com este líquido e, em seguida, o mesmo ocorrerá com o eletrodo EI. Neste momento os contatos C-NA serão abertos e os contatos C-NF serão fechados, permanecendo assim até que o líquido volte a subir e entre em contato novamente com os eletrodos EI e ES.

RELÊ DE NÍVEL SUPERIOR: O Relé permite, através de 3 eletrodos conectados às entradas ER (eletrodo referência), EI (eletrodo inferior) e ES (eletrodo superior), controlar níveis mínimo e máximo do líquido que está sendo monitorado. Para seu correto funcionamento, os eletrodos deverão ser instalados na seguinte ordem:

• Eletrodo ES: no nível máximo a ser monitorado;
• Eletrodo EI: abaixo do nível mínimo;
• Eletrodo ER: abaixo do nível mínimo.

Enquanto os eletrodos ES e EI se mantiverem afastados do líquido ou este apresentar um valor de resistência superior a sensibilidade ajustada ou acima de 100KOhms, os contatos de saída C-NA permanecerão fechados e os contatos C-NF abertos. A medida em que o nível do líquido monitorado for aumentando, os eletrodos EI e ES entrarão em contato com o mesmo, respectivamente. Quando isto ocorrer, o contato de saída do relé será desativado, abrindo os contatos C-NA e fechando os contatos C-NF, permanecendo assim até que o líquido diminua e os eletrodos EI e ES não estejam mais em contato com o líquido.

EXEMPLOS DE APLICAÇÕES COM RELÊS DE NÍVEL:

Aplicação Básica



Aplicação Básica 02 Acionamento Automático Apenas pelo Rele de Nível



Aplicação Básica com Chave Seletora Opção Manual e Automático.


Sempre faça as instalações elétricas utilizando os equipamentos de segurança e painel desenergizado.


Dicas para Eletricistas Montador

Olá amigos usuários do blog ensinando elétrica esse artigo vamos falar de algo muito interessante que é sobre os eletricistas montador. Eu mesmo já tive o privilégio de trabalhar como eletricista montador ao decorrer de minha carreira. Então vamos saber um pouco mais sobre essa função e no final assistam alguns vídeos em dicas de como dar grau em eletrocalhas.


Eletricista Montador

Em todo setor industrial, do mais simples ao mais complexo sistema produtivo, há algum tipo de máquina ou equipamento sendo acionado por motor elétrico. Para colocar alguma máquina e/ou equipamento em movimento, é necessário levar energia elétrica até ele, e assegurar que o mesmo irá funcionar de modo eficaz e seguro, sem risco para as pessoas envolvidas na sua operação. Um dos profissionais envolvidos nessa função de prover energia elétrica a diferentes pontos de um empreendimento é o Eletricista Montador.

Esse profissional é responsável pelos trabalhos relacionados a construção e montagem de redes de cabos e condutores (fios), para equipamentos elétricos, motores, máquinas, iluminação e tomadas, e de suportes para essa rede, como eletrocalhas, perfilados, eletrodutos etc. Para tal, utiliza ferramentas como furadeira, talhadeira, martelo, marreta, chave de fenda, metro, entre outros.

É importante que esse profissional tenha conhecimento de todas as normas de segurança que envolvem a profissão, como por exemplo a NR-10 (Norma Regulamentadora nº 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade). Seu trabalho deve ser executado sempre em conformidade com a necessidade de serviço e de acordo com o procedimento qualificado, normas técnicas e observando padrões de qualidade, segurança, meio ambiente e saúde.


O trabalho do eletricista montador pode ser executado em diversos ambientes abertos ou fechados, como oficinas, galpões industriais, plantas industriais em solo (refinarias, estaleiros etc.) ou em alto mar (plataformas marítimas). Por isso, fica exposto as diversas condições meteorológicas durante seu expediente (sol forte, baixa temperatura, chuvas, ventos, umidade). Está sujeito também a ruídos, ao manuseio de elementos cortantes, choques elétricos e movimentação de materiais, ferramentas e equipamentos. Por esses motivos, é obrigatória a utilização de EPI (equipamento de proteção pessoal) enquanto realiza suas funções. É um trabalho que exige esforço físico, pelas posições variadas de trabalho, muitas delas desconfortáveis por longo períodos.

Para trabalhar com essa ocupação é preciso ter um nível de instrução mínimo equivalente ao ensino médio (ou 2º grau completo) e sua aprendizagem pode ocorrer por intermédio de cursos de qualificação profissional.

Separamos para vocês alguns vídeos de como fazer graus em eletrocalhas.













Agradecimentos á Lenivaldo Carvalho

Como instalar Lampadas de LED tubular

Olá Elétricos aqui é Felipe Vieira e nesse artigo falaremos sobre como você pode substituir suas lampadas fluorescente tubular por Lampadas de LED, ou como efetuar sua instalação do zero.








COMO INSTALAR TUBULAR LED


Embora uma lâmpada tubular LED e uma lâmpada tubular Fluorescente sejam bem diferentes de várias maneiras, a tubular LED foi produzida para substituir a lâmpada fluorescente, por isso elas tem seus formatos e medidas semelhantes. Na prática, a grande diferença está no reator eletrônico (ou reator magnético em modelos mais antigos), que é absolutamente necessário para que a tubular fluorescente funcione, mas totalmente dispensável ao funcionamento da tubular LED.
Abaixo, listamos os passos necessários para que você realize o chamado “retrofit LED”, que é a substituição das lâmpadas fluorescentes antiquadas pela nova tecnologia LED.
O processo é muito simples, basta que você fique atento com as normas de segurança, utilize as ferramentas adequadas e siga nosso passo-a-passo “como instalar a lâmpada tubular LED” para começar a economizar mais energia.

RETROFIT LED:
Instalando a lâmpada Tubular

01
Você vai precisar de chave de fenda ou philips, alicate, retalhos de cabos elétricos e fita isolante.
2
Tenha certeza de que a luminária não está energizada. Na dúvida, desligue a chave geral.
3
Remova as lâmpadas fluorescentes convencionais e em seguida corte os fios que se ligam ao reator e remova-o também.
4
Conecte os fios, seguindo o diagrama de montagem ao lado, juntando todos os fios dos soquetes de um lado à um dos fios de energia (fase) e todos os fios dos soquetes do outro lado ao outro fio da rede de energia (neutro).
Não se esqueça de isolar bem essas conexões.
5
O diagrama (A) exibe o esquema de montagem da maioria das lâmpadas tubulares LED do mercado, mas alguns fabricantes funcionam com o diagrama (B), por isso sempre consulte um dos nossos vendedores para identificar a instalação correta.
6
Encaixe corretamente as novas Lâmpadas tubulares LED nos soquetes.
7
Restaure novamente a energia e pronto!
fonte compartilhada
Veja abaixo esquemas de ligação mais detalhados
Verifique a tensão elétrica da lampada em 127V ou 220V


Esquema abaixo: Referencia para ligação do LED em 220V através de interruptor bipolar

Esquema abaixo Referencia para ligação de Varias lampadas led que não esteja na mesma calha, com tensão de aplicação em 220V através de um interruptor bipolar

Esquema abaixo referencia para ligação de lampadas led em tensão de 127 Volts, através de 2 teclas paralelos e 1 tecla intermediário.

Esquema abaixo, aplicação em Leds que não esteja na mesma calha, em tensão de 127V em paralelo e intermediário.

Ligação dupla em 127V 3 LED na mesma calha tensão de 127Volts



Ligação dupla 3 LED na mesma calha em tensão 220V


Caso haja alguma dúvida utilize o formulário de comentar abaixo.

Elétrica Residencial Ligando Tomadas

Olá amigos agora nesse ensinamento vamos dar algumas opções de como você pode ligar sua tomada em sua residencia veja esses 7 exemplos, lembrando que o ideal e sempre utilizar interruptores DR para te proteger contra descargas elétricas (Choque Elétrico).

Nesse primeiro esquema podemos aprender como instalar uma tomada em 127 volts entre fase e neutro, com um disjuntor DR protegendo o circuito.



Nesse segundo esquema podemos aprender como instalar uma tomada em 220 Volts entre fase e fase, a partir de um disjuntor bifásico comum, podendo ser instalada varias tomadas nesse mesmo circuito desde que sua corrente máxima não ultrapasse o limite de Amperes do Disjuntor e a Corrente que sua fiação suporte.



Nesse terceiro esquema ensina como instalar uma tomada em 127 Volts entre fase e neutro a partir de um disjuntor unipolar, assim eliminando a fase que estará indo as tomadas, desde que somente esteja indo direto o neutro que não contem " tensão elétrica ". Caso queira em vez do neutro utilizar uma fase para ter 220 Volts lembre se que a mesma se não passar por um disjuntor ficará sempre mandando tensão elétrica e você poderá tomar choque. Em locais do brasil para se ter 220V utiliza se fase e neutro do seu sistema 380V.



Nesse quarto esquema você pode observar como ligar 2 tomadas na mesma caixinha como exemplo a figura ao lado do diagrama, em tensão de 127 volts fase e neutro. Proteção usada nesse exemplo e um DR.




Nesse quinto esquema você pode observar como ligar o mesmo tipo de tomada acima mas em tensão de 220 volts utilizando um disjuntor bipolar para proteger o circuito.


Nesse sexto esquema você pode aprender como ligar 2 interruptores e uma tomada na mesma caixinha. Utilizando 2 circuitos separados 1 disjuntor bipolar para proteção da rede 220V e um unipolar para o circuito da lampada, aplicação da tensão da tomada esta em 220V e a lampada 127V.
" Cada tecla acende uma determinada lampada em pontos diferentes "


Nesse esquema você pode utilizar a mesma fase passando pelo disjuntor e alimentando o interruptor e a tomada em 127 volts. Ligação de Tomada e Interruptor Simples para Lampadas 127 Volts.



lembre - se sempre de seguir as normas NBR 5410 para uma instalação elétrica segura e correta.


Populares

39678 Cadastrados
Mais de 38500 membros cadastrados!
8882 Leitores Diários
Mais de 8850 visitas diariamente!
5899369 Acessos
Acessos ao Blog Ensinando Elétrica!

Equipe Ensinando Elétrica

Felipe Vieira
Eletrotécnico e Desenvolvedor
Lucas Oliveira
Criador de Conteúdos
Débora Regina
Administrativo
Maria Sabrina Pereira
Engenheira Eletricista

contato

Ensinando e Aprendendo

Tenha em mente que tudo que você aprende na escola é trabalho de muitas gerações. Receba essa herança, honre-a, acrescente a ela e, um dia, fielmente, deposite-a nas mãos de seus filhos. (Albert Einstein)

Endereço:

Francisco Alves de faria, 39 Sorocaba/SP

Horario de Atentimento:

Segunda - Sexta das 9am á 5pm

Whatsapp Ensinando Elétrica

15 996867998 / Felipe Vieira